Blog PELEJAS
em 03/04/2011

Hoje é aniversário de  Ademir da Guia, maior ídolo da história do Palmeiras, onde foi titular absoluto por quase dezessete anos. É considerado um dos melhores jogadores do futebol brasileiro de todos os tempos. Pela classe com que jogava herdou o apelido de seu pai, Domingos da Guia, um dos maiores zagueiros do futebol mundial em todos os tempos, e passou a ser chamado de "Divino".

Nasceu no Rio de Janeiro, em 3 de abril de 1942.

 

Alto e esguio, Ademir chegou a jogar como centroavante no início da carreira, mas sempre preferiu o meio-de-campo. Chegou em São Paulo em 1961 contratado junto ao Bangu-RJ, clube que o revelou para o futebol.


 

 

No seu DNA de craque, além da influência do seu pai famoso, encontramos a do seu tio, Ladislau da Guia, o maior artilheiro da história do Bangu, com 215 gols.

Formou o famoso meio-de-campo Dudu & Ademir, base das duas Academias do Palmeiras nas décadas de 1960 e 1970.

 Dudu e Ademir


 

A Academia da década de 1970: Eurico, Leão, Dudu, Luís Pereira, Alfredo, Zeca, Edu, Leivinha, César, ADEMIR DA GUIA e Nei.

 

Ademir é tido como um dos craques mais injustiçados da história do futebol brasileiro, pois durante toda a sua brilhante e longa carreira, foi convocado apenas 14 vezes para a Seleção, e disputou apenas uma partida de  Copa do Mundo, em 1974, quando o Brasil já estava desclassificado, na disputa pelo 3º lugar contra a Polônia. Sobre isso o ex-jogador Sócrates declarou: “Ele foi o maior dos injustiçados.”

Parabéns Divino Ademir da Guia. Feliz aniversário.

Obrigado. Quem agradece é o futebol.

 

Algumas frase sobre Ademir da Guia:

“Nome, sobrenome e futebol de craque.” (Armando Nogueira)

"A gente brincava de 'bobinho' nos treinos e tentava fazer o Ademir ir para o meio. Todo mundo tocava para ele com efeito, mas não tinha jeito. Do jeito que a bola viesse ele dominava. Eu não me lembro de uma única vez em que o Ademir tenha ido para o meio da roda."  (Leivinha, ex-jogador, jogou com Ademir no Palmeiras)

"O preço que vocês pagaram, não é o que vale só uma das pernas dele!" (Freitas Solich, técnico do Flamengo, em 1961, dirigindo-se a um dos diretores do Palmeiras, que acabara de comprar Ademir da Guia do Bangu)

 

"Sem Ademir da Guia o Palmeiras é menos Palmeiras." (Rubens Minelli, técnico)

Divino pela própria natureza.” (Raul Prates)

Divino!” (Djalma Santos)

 

A arte e Ademir da Guia:

- Poema “Ademir da Guia” de João Cabral de Melo Neto, Publicado no livro Museu deTudo (1975).que sintetiza o futebol do Divino:

Ademir impõe com seu jogo
O ritmo do chumbo (e o peso)
Da lesma, da câmara lenta,
Do homem dentro do pesadelo
Ritmo líquido se infiltrando
No adversário, grosso, de dentro,
Impondo-lhe o que ele deseja,
Mandando nele,
Apodrecendo-o
Ritmo morno, de andar na areia,
De água doente de alagados,
Entorpecendo e então atando
O mais irrequieto adversário

 

- Filho do Divino

(Música composta por Arnaud Rodrigues e gravada por Moacyr Franco)

Ouça em Real Player:   

 

Obrigado Domingos
Pois que deste ao mundo
Um filho Divino
Dez de ouro de lei
Do quilate mais fino
E assim quis o destino
Que as passadas do pai
O filho fosse o seguidor
Na passada sublime
Seus cabelos de fogo
São fios de vime
Ele é filho do mestre
Do monstro de um time
Que o mundo define
Os verdes campos mundiais
Entre urros e gritos
Humilde rei
E seu nome entre os mitos
Eu cantarei
Força nos pulmões
Vibrem corações
Torçam com os passes
Deste Mágico Divino
Igual ao pai
Porque hoje é domingo
Ele faz o que fez
Em mil outros domingos
Ele pisa na grama
E ela fica sorrindo
E um gol explodindo
Obrigado Domingos
Por nos dar um novo guia.

 

- Livro biográfico “Divino: a vida e a arte de Ademir da Guia” de Kleber Mazziero de Souza, lançado em 2001.

- “Um craque chamado Divino”, filme-documentário lançado em 2006, escrito por Penna Filho e Cláudio Schuster e dirigido por Penna Filho.

- Em 1º. de setembro de 1986 Ademir ganha um busto no estádio Palestra Itália, homenageando o maior camisa 10 da história do clube.


 


 

Números:

Jogos realizados pelo Palmeiras: 900 (recordista)
Vitórias: 511
Empates: 231
Derrotas: 158

153 gols marcados pelo Palmeiras (3º. maior artilheiro da história alviverde)

12 partidas pela seleção

 

Títulos conquistados pelo Divino:

* Campeonato Paulista: 1963, 1966, 1972, 1974 e 1976.
* Torneio Rio-São Paulo: 1965.
* Torneio IV Centenário da Cidade do Rio de Janeiro: 1965.
* Taça Brasil: 1967.
* Torneio Roberto Gomes Pedrosa: 1967 e 1969.
* Troféu Ramón de Carranza (Espanha): 1969, 1974 e 1975.
* Torneio Laudo Natel: 1972.
* Torneio Mar del Plata (Argentina): 1972.
* Campeonato Brasileiro: 1972 e 1973.

 

Veja alguns gols de Ademir da Guia:


por: Ailton Moraes

Enquete PELEJAS
Quem será campeão da Libertadores 2017?

Barcelona (Equador)
Grêmio (Brasil)
Lanús (Argentina)
River Plate (Argentina)
Destaques
27/09/2017
11/06/2017
02/12/2016
31/10/2016
23/10/2016
Arquivo de Posts

Amigos do PELEJAS



@Pelejas
  • Rio-São Paulo do PELEJAS: Palmeiras campeão, Corinthians vice. https://t.co/13B8dBatpO em 22.12.2015 16:39
  • O Rio-São Paulo do PELEJAS (atualização até a 16a. rodada): http://t.co/2Dd58GcNES http://t.co/qzwyeJjjtH em 5.8.2015 09:40
  • O Rio-São Paulo do PELEJAS (atualização até a 10a. rodada): http://t.co/ncHaUUzAxs em 3.7.2015 12:02
Pelejas nas redes sociais
Blog Pelejas Dihitt Pelejas Facebook Pelejas Nossa comunidade no Orkut Aconpanhe nosso RSS/Feed